segunda-feira, 27 de setembro de 2010

O CONCEITO DE REGIÃO DENTRO DAS CONCEPÇÕES GEOGRÁFICAS

Dentro das discussões geográficas o conceito de Região sempre foi colocado em pauta, pois existem muitas controvérsias sobre este termo. Para que esta discussão possa ter fundamento é preciso que estejamos por dentro dos diversos contextos e significações que o termo ao qual discutiremos tem historicamente dentro da política, da economia e da cultura como um todo.
A palavra Região deriva do latim regere, palavra composta pelo radical reg, que deu origem a outras palavras como: regente, regência, regra etc. No Império Romano, este termo era designado para indicar áreas que mesmo pertencentes a uma administração, estavam subordinadas as regras e a hegemonia de Roma, ou seja, estava sujeita a ordens superiores. Na linguagem cotidiana, ou seja, a do senso comum, a noção de região parece existir relacionada a dois princípios fundamentais: o de localização e o de extensão.
A região tem também um sentido bastante conhecido como unidade administrativa, sendo por meio da divisão regional de um espaço, que é exercido a hierarquia e um controle por parte do grupo administrativo do estado. Na Idade Media as divisões administrativas foram as primeiras formas de divisão territoriais presentes nos mapas da época. Na Geografia, o uso desta noção de Região é um pouco mais complexa, pois ao tentarmos fazer dela um conceito científico, herdamos as indefinições e a força de seu uso na linguagem comum e uma das alternativas encontradas pelos geógrafos foi a de adjetivar a noção de região para assim diferenciá – la de seu uso pelo senso comum.
Fruto de todas estas discussões nasce o conceito de Região Natural e Região Geográfica, posteriormente defendidas por pensadores e escolas com visões diferenciadas; criando assim denominações como: Determinismo e Possibilismo, como também de diversas correntes de pensamento que tentam dar um significado para o que se denomina de região.
a) Geografia Tradicional – fundamentada no Positivismo Clássico, apresenta empirismo exacerbado com forte carga naturalista; limitando - se a descrição dos fenômenos e não ao seu questionamento; defende a neutralidade do pensamento. Apresenta visão fragmentada do saber e discute a relação homem-natureza não considerando as relações sociais e as contradições que delas resultam.
b) Determinismo Geográfico (Escola Alemã) - considera que o meio natural exerce ação dominadora sobre o homem, colocando-o como ser passivo perante a natureza, ou seja, o homem é um produto do meio em que vive. Justifica a expansão territorial - teoria do espaço vital – Frederico Ratzel. A natureza influencia diretamente na riqueza ou no empobrecimento de uma sociedade.
c) Possibilismo (Escola Francesa) - considera que o homem é um elemento ativo no meio natural podendo modifica-lo, adaptando-o as suas necessidades - o homem modifica o meio. Desmascara o expansionismo alemão. Apresenta um tom mais liberal. O objetivo maior da geografia é o estudo regional – Vidal de La Blache. A superação da pobreza ocorre a partir do contato com a civilização. Fundamenta-se no provérbio popular de que o meio ambiente propõe e o homem dispõe. A região natural não pode ser o quadro e o fundamento da geografia, pois o ambiente não é capaz de explicar tudo.
d) Geografia Crítica – critica a geografia tradicional e propõe uma geografia baseada nos ensinamentos marxistas e no método dialético. Surge a partir dos anos 60. O centro da preocupação passa a ser as relações sociedade-trabalho-natureza na produção do espaço geográfico. Está centrada nas relações de trabalho, nas explicações econômicas, na denúncia das injustiças sociais e na politização do discurso geográfico em defesa da transformação da realidade social. Não considera a dimensão subjetiva e afetiva das relações sociais, ou seja, as explicações mais plurais.
Hoje já está se falando em uma nova forma de ver os questionamentos geográficos, a partir de uma geografia mais voltada para a amenização e discussão dos problemas que mais afligem a sociedade; tendo uma marca que a diferencia da Geografia Crítica; levando em conta as dimensões afetivas e subjetivas das relações sociais com o meio ambiente e como o próprio homem, instrumento importante nesta relação, chamada por alguns teóricos de Geografia Humanista.
Portanto, através deste breve relato podemos perceber que a discussões sobre região dentro da geografia não é uma coisa recente, isto já vem vêm sendo feito e aprofundado deste muito tempo atrás e que cabe a nós geógrafos, buscar discutir e compreender todas as discussões e ensinamentos sobre a região, já que ela é o foco de estudo do pensamento geográfico. Enquanto não nos dispormos a fazer estas reflexões, estaremos deixando de lado todo o objetivo ao qual nos propomos ao entrar na academia para aprofundar ainda mais os nossos conhecimentos e concepções sobre as temáticas geográficas.

Por Mauro Marciel....

4 comentários:

  1. Gostei muito.Só queria que tivesse mais informações sobre o conceito de região em cada uma das correntes do pensamento geográfico.

    M.L.Laurinho Melgaço-PA

    ResponderExcluir
  2. Se possível queria saber especificamente o conceito de região, mas a partir do ponto de vista geográfico

    ResponderExcluir
  3. Caro amigo o conceito de região aqui elencado está associado aos preceitos e princípios das correntes destacadas. Na geografia Tradicional o conceito de Região estava ligado as questões naturais como clima, relevo, vegetação. O homem aqui não é levando em consideração na discussão do referido termo. No Determinismo a região seria o local onde um determinado individuo vive e sofre as interferência das condições naturais a ele impostas. No Possibilismo o conceito de região é praticamente o mesmo, apenas considerando a interação humana no meio e sua capacidade de interferência e modificação de acordo com suas necessidades. Na geografia Crítica o conceito de Região assume um papel de destaque, pois enfoca um espaço construído a partir de uma interação entre os diversos elementos sejam eles naturais ou humanos, considerando o homem como ser capaz de está em pleno contato com o ambiente em que vive, modificando-o. Ganha também o sinônimo de estaço administrativo que engloba diversos espaços com semelhanças naturais, sociais, humanas e econômicas, que estão interligados pelos mesmos. Não obstante apesar de cada corrente enfocar um aspecto ou quesito diferente, para a geografia esse conceito é primordial para que possamos entender as dualidades teórico-metodológicas existentes na construção de um conhecimento geográfico mais solido, claro e acima de tudo embasado no estudo dos espaços e de suas inter-relações com o mesmo e com os seres que o habitam.

    Caro Colega,

    Espero que possa ter esclarecido um pouco mais sobre a temática abordada. Agradeço em nome da Escola Genildo Miranda a visita, e, nos colocamos a disposição para maiores informações.


    Prof. Mauro Marciel....

    ResponderExcluir